FICHA TÉCNICA

A Cidade de BronzeA Cidade de Bronze
Autor: S. A. Chakraborty
Ano de Lançamento: 2018
Nº de páginas: 608
Editora: Morro Branco
Compre na Amazon: clique aqui


SINOPSE

Cuidado com o que você deseja. Nahri nunca acreditou em magia. Golpista de talento inigualável, sabe que a leitura de mãos, zars e curas são apenas truques, habilidades aprendidas para entreter nobres Otomanos e sobreviver nas ruas do Cairo. Mas quando acidentalmente convoca Dara, um poderoso guerreiro djinn, durante um de seus esquemas, precisa lidar com um mundo mágico que acreditava existir apenas em histórias: para além das areias quentes e rios repletos de criaturas de fogo e água, de ruínas de uma magnífica civilização e de montanhas onde os falcões não são o que parecem, esconde-se a lendária Cidade de Bronze, à qual Nahri está misteriosamente ligada. Atrás de seus muros imponentes e dos seis portões das tribos djinns, fervilham ressentimentos antigos. E quando Nahri decide adentrar este mundo, sua chegada ameaça recomeçar uma antiga guerra. Ignorando advertências sobre pessoas traiçoeiras que a cercam, Nahri embarca em uma amizade hesitante com Alizayd, um príncipe idealista que sonha em revolucionar o regime corrupto de seu pai. Cedo demais, ela aprende que o verdadeiro poder é feroz e brutal, que nem a magia poderá protegê-la da perigosa teia de intrigas da corte e que mesmo os esquemas mais inteligentes podem ter consequências mortais.

RESENHA – A CIDADE DE BRONZE

Oriente Médio. Muitos desertos, mistérios, credos, magias e ressentimentos. Areia que cega os olhos, sol que queima a pele. Nessa região mística em que mil e uma noites de aventuras são revividas eternamente existe uma Cidade de Bronze! Majestosa, reluzente, escondida. Meros mortais não são permitidos onde habitam os elementais e suas línguas perdidas. Mas uma jovem está para revelar todo este mundo novo em sua plenitude, glória e terror!

A Cidade de Bronze

“Era um puro-sangue. Seria preciso muito mais do que bronze líquido para feri-lo.”

O comércio das ruas lotadas do Cairo é o local ideal para se encontrar de tudo! Alimento, temperos, animais, curas milagrosas, esperança e “golpes”. O Oriente Médio do século XVIII não é um lugar fácil de se viver, muita insegurança, escassez e ânimo acirrados. É necessário fazer de tudo para sobreviver, e poucos sobrevivem melhor que Nahri, uma jovem e talentosa “golpista” que vive de vender curas e prever o futuro. Sozinha no meio dessa cidade que pode ser infernal para os mais inocentes ela não se arrependia de nada… até então! Durante mais uma de suas cerimônias “falsas” de exorcismo ela acaba invocando Dara! Um guerreiro Djinn, elemental do fogo, com um passado terrível nas costas. O “flagelo” de cidades inteiras está de volta dos mortos e vai arrastar Nahri para as chamas ocultas da lendária “Cidade de Bronze”.

A Cidade de Bronze

“A lâmina incandescente cortou o pescoço do menino.”

Muros gigantescos de bronze escondidos dos nossos olhos. Dara e Nahri estão indo em busca do passado de ambos. Dara redenção, Nahri revelação. Ambos juntos rumando para seu destino em um tapete voador! Enfrentarão mortos vivos, serpentes gigantes e toda sorte de obstáculos no caminho. Mas o verdadeiro adversário encontra-se dentro dos muros. Nahri conhecerá a cidade de Daevabad em sua majestade e mistérios comandada com mão de ferro pelo Rei Ghassan e seus príncipes, principalmente Ali. Diferente de seu pai, Ali está preocupado com uma divisão milenar da cidade que separa seus povos por questões políticas, raciais e religiosas. Nesse caldeirão de problemas Nahri conhecerá seu passado, lidará com uma corte sanguínária, enfrentará elementais da terra, ar e mar alem dos caminhos tortuosos do coração.

A Cidade de Bronze

“- Achei que honestidade fosse uma virtude.
– Nem sempre.”


SENTENÇA

Romance de estréia da americana S.A Chakraborty é o primeiro volume da “Trilogia Daevabad”. Pela trama ser ambientada no Oriente Médio, pode trazer uma confusão com os nomes e pronúncias em um primeiro momento, mas também traz um frescor e novidade para quem está habituado a Fantasias apenas euro-cêntricas. Usando todo o misticismo e mitos que habitam tal “folclórica” região a autora entrega uma ótima aventura repleta de ação, monstros, magia, intrigas políticas alem de abordar questões mais delicadas como racismo e preconceito. O romance (amor) está presente na obra, mas de forma equilibrada, sem ofuscar a trama principal e narrativa. Uma obra convincente de uma série promissora. Que venha mais brilho, areia e histórias desta jovem autora!

Comentários