FICHA TÉCNICA

god of warGOD OF WAR
Autor: Matthew Stover e Robert E. Vardeman
Ano de Lançamento: 2012
Nº de páginas: 384
Editora: Leya
Compre na Amazon: clique aqui


SINOPSE

 Livro do popular game que conquistou milhões de fãs ao redor do mundo! Kratos é um guerreiro grego que trabalha para os deuses do Olimpo. Com a promessa de ser transformado em um guerreiro perfeito por Ares, o Deus da Guerra, Kratos, enganado por ele, acidentalmente mata a sua família, e segue amaldiçoado pelas cinzas da morte de seus entes queridos. Decidido a não servir mais a Ares, Kratos, através de flashbacks ao longo de toda a história, é atormentado pela lembrança de seus atos e procura os outros deuses para fazer um trato e servi-los por dez anos. Ao final desse acordo, o guerreiro procura por Atena, que o livrará dos tormentos e o perdoará por todos os seus atos, mas com uma condição, que ele mate Ares.

RESENHA – GOD OF WAR

Sem amor. Sem medo. Sem pena. Sem clemência. Sem prisioneiros. Careca, mau, branco como giz, pintado de sangue e com fúria nos olhos Kratos é a morte encarnada. O humano espartano que ousou desafiar os deuses. O frenesi da guerra o deixou cego para o amor, mas não há nada feito na escuridão que não seja revelado na luz. Kratos voltou a enxergar e o Olimpo vai tremer!

god of war

“Não poder vencer não era motivo para desistir.”

Kratos mais conhecido como Campeão de Atena, Punho de Ares e Fantasma de Esparta está só. Consumido por seus atos oriundos de um pacto infernal feito com Ares o “deus da guerra”. A divindade que outrora veio ao seu encalço cobrou mais que sua alma. Dez anos de serviços e morte sob as ordens da guerra cobraram um preço alto demais. Algo que nenhum humano seria capaz de carregar. Mas Kratos não é um humano qualquer. Seus ombros são largos o bastante para suportar o remorso e até a ira dos deuses. A lenda das batalhas está para realizar sua última contenda: botar Ares de joelhos! Mas se um deus cair, todos os demais se sentiram ameaçados, e o Olimpo não pode permitir isso. Ou é justamente o que a morada dos deuses mais deseja?

God of war

“A cada um de seus passos, homens eram esmagados sob suas sandálias encharcadas de sangue, como formigas são esmagadas por mortais.”

Ares sempre foi um touro louco. Apaixonado por guerras e destruição sua ambição não vê limites. Cidades e templos de adoração de seus familiares deuses não são um empecilho em sua caminhada. Alguns no Olimpo estão fartos desse comportamento animal e ninguém está mais desesperada que a deusa Atena. Como senhora da sabedoria ela sabe que não pode enfrentar Ares, não por medo, mas porque um decreto de Zeus proíbe confronto e morte entre seus pares. Mas em toda sua astúcia Atena vê em Kratos, e seu desejo de vingança, o agente perfeito para tal plano. Porem, apesar de possuir as “Lâminas do Caos” presas em seus braços, Kratos é apenas um reles mortal. Então a deusa da sabedoria usa de um intricado estratagema para convencer os demais deuses a ajudarem Kratos a derrubar Ares. Apesar de fornecerem para o espartano a “Cólera de Poseidon”, “A lâmina de Artemis” e até o “Raio de Zeus” ele necessitará de mais poder! E a única coisa que pode matar uma divindade é a “Caixa de Pandora”, mas para isso Kratos terá que viajar até o “Deserto das Almas Perdidas” e explorar o Templo de Pandora que se encontra nas costas do titã Cronos! Uma jornada épica que será lembrada até a eternidade.
god of war

“Kratos torceu as lâminas e enfiou-as de volta nas feridas. Quando ele finalmente as retirou, vieram entranhas com elas.”


SENTENÇA

Apesar de ser vendido como a história que deu origem ao jogo isso não é verdade. O clássico jogo foi lançado em 2005 e esse livro publicado apenas em 2010. Alguém pode alegar que foi uma história guardada na gaveta usada para o planejamento do mesmo e só publicada tardiamente… você acredita? Desencontros a parte, a obra é uma novelização fiel do que ocorre no jogo. Todas as batalhas e conquistas de Kratos descritas em uma trama de ação ininterrupta que pode até cansar alguns leitores, afinal, uma coisa é você matar cinco minotauros no jogo em 30 segundos, outra é você ler sobre a morte destes cinco em três páginas. Mas a obra não é apenas isso, existe toda uma trama implícita no jogo sobre o estratagema dos deuses e porque se viraram contra Ares que aqui é revelado de forma excelente, dando profundidade a história e mais sentido ao próprio jogo. Não vejo como ler está obra sem todo o imaginário visual do vídeo-game, eu tentei, mas fica faltando algo apesar da escrita convincente. Por outro lado, queria ter lido essa obra JUNTO com o jogo, quando o joguei, o que deixaria a experiência muito mais enriquecedora! Na verdade essa obra escrita em duas mãos é um prato cheio para os amantes das aventuras de Kratos nos consoles, mas sem esse suporte de entretenimento deixa alguma lacuna vazia. Porem, não creio que essa tenha sido a intenção dos escritores, e como uma obra complementar ao entretenimento gerado pelos vídeo-game convence bastante, mas apenas assim.

Comentários