FICHA TÉCNICA

O TEMPO DESCONJUNTADOO TEMPO DESCONJUNTADO
Autor: Philip K. Dick
Ano de Lançamento: 2018
Editora: Suma de Letras
Nº de páginas: 272


SINOPSE

Um romance impressionante de um dos maiores nomes da ficção científica. Philip K. Dick faz o leitor duvidar do real e se perguntar a todo momento até que ponto a paranoia é justificada. Com edição especial em capa dura e projeto gráfico arrojado, uma obra inédita de Philip K. Dick chega ao Brasil, trazendo um retrato único da construção do medo, da desconfiança e da própria realidade. Ragle Gumm tem um trabalho bastante peculiar: ele sempre acerta a resposta para um concurso diário do jornal local. E quando ele não está consultando seus gráficos e tabelas para o trabalho, ele aproveita a vida tranquila em uma pequena cidade americana em 1959. Pelo menos, é isso que ele acha. Mas coisas estranhas começam a acontecer. Primeiro, Ragle encontra uma lista telefônica e todos os números parecem ter sido desconectados. Depois, uma revista sobre famosos traz na capa uma mulher belíssima que ele nunca tinha visto antes, Marilyn Monroe. E para piorar, objetos do dia a dia começam a desaparecer e são substituídos por pedaços de papel com palavras escritas, como “vaso de flores” e “barraca de refrigerante”. A única alternativa que Ragle encontra para descobrir o que está acontecendo é fugir da cidade e de todos esses acontecimentos bizarros, contudo, nem a fuga nem a descoberta serão tão fáceis quanto ele imaginava.


RESENHA – O TEMPO DESCONJUNTADO

Qual a sua percepção de realidade? Aquilo que você pode ver e tocar? O que consta nos livros e é transmitido pelos meios de comunicação? Ou seria apenas o que consegue sentir no coração? E se houver mais de uma realidade e na verdade “realidade absoluta” alguma? Parece confuso? Mas se o tempo não for tão linear quanto parece e for desconjuntado talvez algo faça sentido… talvez. É isso que Ragle Gumm tentará descobrir.

“Neste mundo ninguém age mais baseado em princípios.”

Conheça Ragle Gumm, um quarentão encostado. Ex-militar que lutou na Segunda Guerra Mundial, na verdade trabalhou isolado em uma ilha do Pacífico durante os confrontos servindo ao exército americano, agora aproveita sua aposentadoria precoce. Morando com sua irmã, cunhado e sobrinho ele passa seus dias tentando solucionar um inusitado concurso do jornal local diário, e sempre ganha! Usando métricas e técnicas que ninguém conhece ele segue a vida nesta calma cidade interiorana americana relaxando com a família e por vezes sendo julgado como preguiçoso. Mas sua vida pacata está com seus dias contados…

O TEMPO DESCONJUNTADO“É uma lei da sobrevivência, dissera Ragle. Os que se recusam a responder aos novos estímulos perecem.”

Ragle Gumm não é mais um soldado, mas o “soldado” que existe em sua alma nunca se foi. Um antigo rádio usado pelo sobrinho pode estar associado, ou ser a porta para revelar, estranhos acontecimentos. Apesar de estar no final dos anos 50, ele começa a achar algumas referências de que essa não seja a realidade vigente. Seu radar interno começa a gritar quando certos locais e objetos do dia dia começam a sumir de sua vista e pequenos papeis contendo pistas do que pode estar acontecendo começam a aparecer. Reagle inicia um intrincado quebra-cabeças com todas as referências e resolve fugir em busca da realidade. Mas ele está literalmente preso nesta cidade! O que está acontecendo afinal? Seria um inusitado campo de concentração dentro da América, uma realidade paralela criada em sua mente ou coisa de alienígenas? Só o tempo dirá, e ele (tempo) não anda ajudando muito.
O TEMPO DESCONJUNTADO

“Adapte-se, ou desapareça… uma nova versão de uma regra atemporal.”


SENTENÇA

Essa obra foi escrita em 1959 pelo aclamado escritor de ficção científica Philip K Dick e uma grande aposta da Suma de Letras. Uma aposta errada. O livro não chega nem a ser uma sombra pálida da capacidade e qualidade deste autor. O protagonista possui um carisma negativo, falta ritmo a obra que chega a ser maçante, e o final em que tudo pode, ou poderia ser revelado, acaba sendo previsível e quase infantil. Alguns podem considerar uma crítica a sociedade americana pós-guerra, mas se for, é tão sutil e subliminar que não consegue entregar o que propõem. Sei que muitos consideram certos escritores acima de críticas, eu não. Definitivamente não é uma obra que dê a dimensão da capacidade e legado deste autor. Um livro simplesmente desconjuntado, como seu título.

Comentários