FICHA TÉCNICA

SunamuhSUNAMUH – A FUGA
Autor: Herbert Silva Costa
Ano de Lançamento: 2018
Editora:  Pendragon
Nº de páginas: 274
Compre agora: Clique aqui


SINOPSE

“Sunamuh – a fuga” acompanha a história do inquieto Retlaw Etihw, um jovem de 18 anos que vive inconformado com a forma como o Império de Sunamuh trata a população, principalmente as castas mais baixas, os nortenhos. Sem liberdade para se expressar e oprimidos pela religião que apoia o autoritarismo do rei. Em meio a guerra entre Satidipuc e Oisulli, Retlaw vai iniciar uma busca que vai revolucionar sua vida e seu mundo.


RESENHA – SUNAMUH

Até onde você iria? O que você aguentaria pelo que acredita, por sua fé, por justiça e por quem você ama? Essa é uma história de fugas e resgates. Um jovem sonhador com sua realidade destroçada tendo que correr atrás de um passado apagado para poder vislumbrar um futuro concreto. Um Império, dois reinos, duas castas e um fugitivo que promete mudar essa história.

Sunamuh

“A vida consiste em fugir daquilo que somos e daquilo que vivemos (…) É uma fuga incessante de nós mesmos.”

Bem vindo ao Império de Sunamuh e seu conto de dois reinos. Era o melhor dos tempos para os Sulistas de Satidipuc, era o pior dos tempos para os Nortistas de Satidipuc. Era o melhor dos tempos para os Sulistas de Oisulli, era o pior dos tempos para os Nortistas de Oisulli. Dois Reinos divididos em regiões. Dois reinos divididos pela vergonha e opressão. Sulistas nobres, elitistas cheios de orgulho e estupidez explorando Nortistas miseráveis, marcados como gado ao nascer mas por vezes sábios em sua ignorância. Cada reino separando seu povo por uma ponte ou muro da vergonha. Repressores e reprimidos envolvidos em uma guerra sem fim. Época em que poucos almejando a coroa do Império fazem muitos sofrerem em desespero e falta de esperança. Nos voltemos para o Norte de Satidipuc onde uma família está para sentir toda a “cólera” de um sistema inumano. A familia de Retlaw Etihw.

Sunamuh“Para que um governante se mantenha no poder, ele precisa que o povo sinta necessidade dele ali, sinta a necessidade de um governo para tomar o poder para si e fazer com ele o que quiser.”

Retlaw não é um nortenho qualquer. Ele é o primeiro marcado pelo triangulo da vergonha no pescoço a conseguir se tornar um soldado da guarda real. Porem na noite de sua formação não se viu glória, apenas lágrimas. Seu pai foi acusado de traição e conspiração contra o Rei sentenciando toda sua família a prisão. Mas Retlaw não treinou tanto técnicas de combate para conseguir se conter frente a tal calúnia. Reagindo aos captores de sua família ele foge com sua irmã pequena. Uma fuga desesperada e suicida que é apenas o principio das dores de sua vida. A destruição de tudo que acredita acaba elevando sua perspectiva de vida. Em meio ao luto gerado por suas atitudes acaba conhecendo todo um mundo oculto de seu povo. Oculto dos livros pela religião vigente a “Ordem”. Conhecendo rebeldes e ladrões ele acaba se tornando tudo que nunca imaginou em sua jornada por justiça! Retlaw vai lutar, traficar, roubar, matar e velejar em uma louca cruzada contra o rei de Satidipuc, e ninguém conseguirá parar seu coração.
Sunamuh

“Sempre que tentamos evitar memórias desagradáveis sobre nossas próprias vidas, incentivamo-nos a pensar ainda mais sobre elas.”


SENTENÇA

Livro de estreia de Herbert S. Costa é um prato cheio de diversão. Não tem como não se envolver com as desaventuras e sofrimento do jovem Retlaw. Um livro curto, com capítulos curtos que entregam uma rajada de ação e reviravoltas até seu final. POREM, talvez refém de sua própria criatividade, ou apenas fruto de uma geração acostumada a consumir trilogias e sagas, essa obra é apenas o primeiro volume da série deste escritor. Uma obra sem final, com várias pontas soltas e com algumas “viradas de trama” arriscadas que  não me agradaram muito. Há a necessidade urgente de um segundo livro (pelo menos) para a conclusão da jornada de nosso protagonista. Mas acredito no frescor e gana deste jovem autor (Herbert) para encerrar essa divertida historia o mais rápido possível, pois não creio que seus admiradores terão tanta paciência para esperar, afinal George R.R. Martin “fez escola” mas gerou traumas. Se jornadas, momentaneamente, sem final não forem um problema para você, vá sem medo porque é entretenimento garantido!

Comentários